dezembro 08, 2011

Ale Rocha, saudades...


Hoje deveria postar uma receita, algo bem doce para tentar espantar a tristeza, mas confesso que nem o doce bem doce está descendo.

Meu post de hoje não deixa de ser uma receita, mas uma receita de vida. Esta semana perdi um grande amigo, talvez muitos de vocês o conheçam, o jornalista Ale Rocha, criador do maior blog sobre televisão do nosso país, o Poltrona, que até virou livro. Ele também foi comentarista no programa Hoje em Dia da Record, dentre tantos outros feitos.

Este meu amigo lutou bravamente após ter um diagnostico de hipertensão pulmonar, doença grave que afeta os pulmões e coração. Existe tratamento, mas não existe cura. Para ele, assim como para muitos pacientes portadores desta doença a única chance de sobrevivência é o transplante pulmonar. Ale Rocha conseguiu o transplante, mas infelizmente não sobreviveu devido à uma infecção.

Não é o primeiro amigo que perco para esta doença, mas gostaria do fundo do meu coração que fosse o último. Ale não era só um amigo, era um companheiro de jornada, pois convivo com alguém que luta contra esta doença há 10 anos, e foi ele, Ale Rocha, que muitas vezes me fez ter forças para seguir em frente e não desistir nunca. Devo muito ao Ale, e é por ele que continuo minha luta na esperança que um dia seja encontrada a cura para esta doença.

Ale, você vai fazer falta meu amigo! 


3 comentários:

  1. Mirella, uma perda muito grande. Conhecia o Ale Rocha pelo blog, que se tornou o mais respeitado na blogosfera sobre o assunto. Com certeza perdemos uma cabeça pensante, um lutador... Conforto à família e aos amigos!

    ResponderExcluir
  2. É duro seguir em frente, mas receitinha do Ale: Use o blog como também higiene mental e algo para te motivar! Todos nós adoramos você e ele certamente ficaria muito feliz de ver a amiga blogueira arrasando! Beijos

    ResponderExcluir
  3. Mirella, eu tive a chance de conversar muitas vezes com o Ale e provar (usando palavras apropriadas ao seu blog) de sua competência, lucidez e inteligência.
    Tenho certeza que entre os pacientes com a HAP, ele foi mais um dos guerreiros que luta e que aprendeu a viver um dia de cada vez.
    O Ale não gostava de ser inspiração ou exemplo, e hoje entendo, pois ele foi mais do que isso: foi mais um passo no caminho de um tratamento mais digno a todas as famílias que sofrem esse mal.
    Sucesso e fico na torcida por vocês!
    Um beijo
    @AnaMariaCoelho

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...